quinta-feira, 20 de julho de 2017

0

v1v3nd0 3 n40 4pr3nd3nd0

    
Quatro trechos de ‘Admirável Mundo Novo’, de Aldous Huxley. A novela, publicada originalmente em 1932, denuncia os aspectos desumanizadores do “progresso” científico e material. (E ainda não aprendemos, não é?)
   
#    #    #
   
‘Uma nova teoria biológica’ era o título do trabalho que Mustafá Mond acabava de ler. Ficou sentado por algum tempo, as sobrancelhas franzidas meditativamente; depois tomou a pena e escreveu sobre a página de rosto: “A maneira pela qual o autor trata matematicamente a concepção de finalidade é nova e extremamente engenhosa, mas herética e, no que diz respeito à ordem social presente, perigosa e potencialmente subversiva. ‘Não publicar’.” Sublinhou essas palavras. “O autor será mantido sob vigilância especial. Sua transferência para o Posto de Vigilância Marinha de Santa Helena poderá tornar-se necessária.” Uma lástima, pensou, enquanto assinava. Era um trabalho magistral. Mas se se começasse a admitir explicações de ordem finalística... bem, não se sabia qual poderia ser o resultado. Era o tipo de ideia que poderia facilmente descondicionar os espíritos menos estáveis das castas superiores – que poderia fazê-lo perder a fé na felicidade como Soberano Bem e levá-los a crer, ao invés disso, que o objetivo estava em alguma parte além e fora da esfera humana presente; que a finalidade da vida não era a manutenção do bem estar, e sim uma certa intensificação, um certo refinamento da consciência, uma ampliação do saber... O que, refletiu o Administrador, bem podia ser verdade. Mas inadmissível nas circunstâncias presentes. Retornou a pena e, sob as palavras ‘Não publicar’, riscou um segundo traço, mais espesso, mais grosso que o primeiro; depois suspirou. “Como seria divertido”, pensou, “se não tivesse de pensar na felicidade!”
   
#    #    #
   
Uma das principais funções de um amigo é suportar (sob forma atenuada e simbólica) os castigos que nós gostaríamos, mas não temos possibilidade, de infligir aos nossos inimigos.
   
#    #    #
   
– Por que não lhes faz ver ‘Otelo’?
– Já lhe disse: é antigo. Além disso, não o compreenderiam.
Sim, era verdade. Ele lembrou-se como Helmoltz rira de ‘Romeu e Julieta’.
– Pois, então – disse, após um silêncio –, algo novo que seja como ‘Otelo’ e que eles possam compreender.
– É o que todos nós temos desejado escrever – declarou Helmholtz, rompendo seu prolongado silêncio.
– E o que o senhor nunca há de escrever – respondeu o Administrador. – Porque, se se parecesse realmente com ‘Otelo’, ninguém poderia compreendê-lo, por mais novo que fosse. E, se fosse novo, não poderia de maneira alguma ser parecido com ‘Otelo’.
– Por que não?
– Sim, por que não? – repetiu Helmholtz. Ele também esquecera as realidades desagradáveis da situação. Verde de ansiedade e temor. Bernard era o único que se lembrava; os outros não lhe deram atenção. – Por que não?
– Porque o nosso mundo não é o mesmo mundo de ‘Otelo’. Não se pode fazer um calhambeque sem aço, e não se pode fazer uma tragédia sem instabilidade social. O mundo agora é estável. As pessoas são felizes, têm o que desejam e nunca desejam o que não podem ter. Sentem-se bem, estão em segurança; nunca adoecem; não têm medo da morte; vivem na ditosa ignorância da paixão e da velhice; não se acham sobrecarregadas de pais e mães; não têm esposas, nem filhos, nem amantes, por quem possam sofrer emoções violentas; são condicionadas de tal modo que praticamente não podem deixar de se portar como devem. E, se por acaso, alguma coisa andar mal, tem o ‘soma’. Que o senhor atira pela janela em nome da liberdade, Sr. Selvagem. Da liberdade! – Riu. – Espera que os Deltas saibam o que é a liberdade! E agora quer que eles compreendam ‘Otelo’! Meu caro jovem!
O Selvagem calou-se um momento.
– Apesar de tudo – insistiu obstinadamente –, ‘Otelo’ é bom. ‘Otelo’ é melhor do que estes filmes sensíveis.
– Sem dúvida – aquiesceu o Administrador – mas esse é o preço que temos de pagar pela estabilidade. É preciso escolher entre a felicidade e aquilo que antigamente se chamava a grande arte. Nós sacrificamos a grande arte. Temos, em seu lugar, os filmes sensíveis e o órgão de perfumes.
– Mas eles não significam nada.
– Significam o que são; representam para os expectadores uma porção de sensações agradáveis.
– É que eles são... são narrados por um idiota.
O Administrador pôs-se a rir.
– O senhor não está sendo muito cortês com seu amigo, o Sr. Watson. Um dos nossos mais notáveis engenheiros em Emoção...
   
#    #    #
   
– Mas como são úteis! Estou vendo que o senhor não gosta dos nossos Grupos Bokanovsky; mas, asseguro-lhe, eles são o alicerce sobre o qual está edificado tudo o mais. São o giroscópio que estabiliza o avião-foguete do Estado na sua rota imutável. – A voz profunda vibrava, emocionante; a mão, gesticulando, representava todo o espaço e o impulso da máquina irresistível. A oratória de Mustafá Mond achava-se quase à altura dos modelos sintéticos.
   
   
   
    

[ler na íntegra]

quarta-feira, 19 de julho de 2017

0

PALAVRAS em MOVIMENTO


Carlos Pessoa Rosa pergunta, “para quem o autor escreve? -... aquela imediasidade entre o poema e o leitor é um prazer dos poucos”.
Acredito no movimento das palavras para mudar o mundo e as pessoas. Segundo Adélia Prado, “a literatura é uma expressão pura: ela não serve para nada, no sentido de que não posso nem devo usá-la como instrumento para ideologias políticas, filosóficas ou religiosas. Um bom texto é como uma rosa no pé, um gato, uma cachoeira, um corpo; é expressão pura. Pode decorrer de sua contemplação, uma descoberta... Afinal, a arte é um espelho. Podemos levar um susto com o que vemos”.
Tudo é uma questão de dosagem. É com a literatura que adquiro cultura, que aprendo sobre minhas capacidades e dificuldades. Mas, não posso deixar a mercê do que todos esperam de mim. Preocupo-me em corresponder à expectativa, como leitora, de maneira saudável e prazerosa de viver. É de grande valia imaginar, enquanto leio. Orgulho-me dos talentos escolhidos, por acreditar piamente no movimento das palavras e sentir o gosto pela vida e, muitas vezes, a saudade como conforto. Pedro Du Bois, com olhar diferenciado, no livro O Movimento das Palavras, revela que “A diferença reside / Entre os que praticam / Jogos // E os guerreiros // Não há guerra / Há disputa // Vence o melhor / Não o mais feroz”.
Palavras em movimento criam novos horizontes; facilitam qualquer trabalho e mais, cristalizam-me a nunca deixar de ler, porque transparecem meus limites e a minha satisfação. É uma performance inquestionável que combina com a minha vida e que se diferencia na resposta. Segundo Ohran Pamuk, “... quando eu falo de escrita, a primeira coisa que me vem à cabeça não é uma novela, um poema ou tradição literária, é uma pessoa que fechou a si própria num quarto, sentou-se a uma mesa, e, sozinha, volta-se para dentro; por entre as suas sombras, ela constrói um novo mundo com palavras”.
De acordo com os escritores, palavras em movimento geram ação, como um rio sendo levado pela correnteza das águas – para mudar a direção do barco preciso do impulso e de um plano de ação – para avaliar o que realmente importa e em qual medida de dosagem. É o meu compromisso pessoal.
Sei que posso espalhar palavras e tornar o meu viver prazeroso. O que significa conquistar o coração do leitor. Jorge Forbes demonstra que “a poética não visa ser compreendida, visa ser sentida. Ela toca o corpo além do conhecimento”. E, Amós Oz questiona, “... Por que você escreve exatamente desta maneira? Se você quer influenciar seus leitores. E se quer – em que sentido tenta influenciá-lo. Que função exerce suas histórias...”
O fato é que essa é uma das formas de mudar o mundo e, assim, sinto-me estimulada a seguir o caminho literário e cultural, como em Jorge Luis Borges, “Um grande escritor cria seus precursores. Cria-os e de algum modo os justifica”.
Ler me torna capaz e me faz fugir da banalidade, já que me importo com a qualidade de vida; a pressão arterial diminui e o grau de felicidade cresce; aumenta a autoconfiança e a esperança de, assim, responder a pergunta inicial de Carlos Pessoa Rosa.
É possível com as palavras alcançar o objetivo desejado, depende do quanto quero olhar sobre os talentos da literatura e do quanto sinto o vento da mudança: vontade de descobrir e desvendar a cultura. Um bom livro continua ocupando lugar de honra nas prateleiras da minha casa. Em tempo: 29 de outubro foi escolhido para comemorar o Dia Nacional do Livro, porque nesse dia, no ano 1810, a Real Biblioteca Portuguesa foi transferida para o Brasil, fundando a Biblioteca Nacional.

[ler na íntegra]

sábado, 15 de julho de 2017

0

SEM PIZZA? SEM CHANCE!




Existe pouquíssima coisa melhor que pizza, embora ninguém possa garantir que essas pouquíssimas coisas sejam, de fato, melhores que ela. Mas, se existirem mesmo, seriam tão poucas que caberiam no espaço de meia pizza brotinho. Com folga.

Não havendo pizza, no mínimo três quartos dos motoqueiros também não existiriam ou estariam fazendo outra coisa na vida, pois não teriam o que entregar. 

Esse nosso mundinho, que já não é lá o melhor lugar da via láctea pra se viver, ficaria insuportável. Até o universo corporativo seria afetado. Os gráficos-pizza do powepoint precisariam se chamar gráficos-queijo, gráficos-torta ou coisa parecida. As esticadas de expediente, madrugada adentro, nas agências de propaganda e redações de jornal, resultariam compreensivelmente improdutivas sem a consoladora perspectiva da uma redonda crocante, de preferência com borda de catupiry ou cheddar, para tirar o estômago das costas e saudar o sol nascente. 

A vida noturna de Sampa seria no mínimo um terço menor, ou três fatias, supondo como analogia uma pizza de dez pedaços. Estatísticas do ano de 2013 dão conta de um total de 15.000 restaurantes e 4.500 pizzarias na capital paulista. Vai gostar de pizza assim lá na Itália, ô meu...

Pizzas coroam as grandes conquistas, arrematam com perfeição os momentos mais esperados, são o ápice da satisfação humana. Exagero? De jeito nenhum. O camarada se mata de estudar para ser um bom aluno e entrar numa faculdade bacana. Faz a faculdade bacana para buscar um bom emprego. Consegue, com o bom emprego, a realização na forma de um carro moderninho, de uma parceira interessante, de uma casa com projeto de arquiteto. Dentro da casa, o quarto. No quarto, a cama. E depois daquela coisa boa que se faz na cama, o que vem na sequência? Pizza. Para repor as energias e cogitar uma segunda rodada. Não necessariamente de pizza. 

Mas, se tivesse mesmo que inexistir a partir de amanhã, que eu tenha a chance de guardar hoje uma última fatia na geladeira para degustá-la fria e com a mussarela plastificada, regada a um generoso fio de azeite. Ô, tentação deliciosa. Até abaixo de zero a redonda não tem rival.  

É preciso reconhecer que nem tudo, entretanto, estaria perdido num mundo desgraçadamente desprovido dessa maravilha. As maracutaias de Brasília, por exemplo, não mais acabariam nela. O que seria espetacular. 





© Direitos Reservados
Imagem: ebpembalagens.com.br

[ler na íntegra]

terça-feira, 4 de julho de 2017

0

PÓS CÂNTICO - JANDIRA ZANCHI


Ilustração: Andrew Pearce




luminescências  derrubadas no pós cântico
são meras e esmeradas folhas
de algodão e cetim manuseadas

cálida corrente crucificada
ainda, menina benevolente, a terra em lua lubrificada
essa manhã... de pouco vento, breve instante
sussurros quase audíveis do silêncio

permanecimento das hastes violetas/violáceas/varridas
de cânforas  e carmesim, em torno auréolas de santos
mugidos dos entes
esculpido de ouro e barro esse além

medida metrificada mentolada de anis e amianto

lago diversificado ... é solene no esperanto espetáculo
de augustos templos
templários tenazes esculpidos de ideia e ar
ventilam, sem massa, astúcia e alforjes
o tempo de seda e semáforos que me prosseguem

na rua ainda o espanto de passantes por avenidas que se alongam e debatem
atravessadores sinalizadores circunspectos e graves facínoras
famintos, nesse céu de chumbo e vigor, da prece pedinte de algum deus

que já não hesita castiga ou perdoa
entoa entoadas almadas
sem trevas e trafego

condizente momento ao porvir da eternidade.

Jandira Zanchi
[ler na íntegra]

sábado, 1 de julho de 2017

0

A HORA E A VEZ DO PAMONHEIRO




Olha aí, olha aí freguesia
São as deliciosas pamonhas de Piracicaba
Pamonhas fresquinhas, pamonhas caseiras
É o puro creme do milho verde
Vamos chegando, vamos levando
Temos curau e pamonhas
Venha provar essa delícia
Pamonhas, pamonhas, pamonhas

Mais de 50 anos aguentando essa maldita fala em looping, com esse insuportável locutor, das sete da manhã às oito da noite. Na safra do milho e na entressafra. No começo, eu dirigia o carro - um Gordini já bem velho - e não tinha locutor nem gravação. Eu mesmo anunciava a pamonha. Ia com o vidro aberto e berrando feito louco no megafone. Voltava pra casa com a mão direita cheia de bolhas, de tanto ficar manobrando a direção com um braço só. Já o braço esquerdo retornava da labuta todo seco e descascado, porque o sol só batia nele.

Pamonhas fresquinhas, pamonhas caseiras
Vamos chegando, vamos levando
Venha provar essa delícia

Depois veio a fita-cassete. Play direto no tape TKR com amplificador Tojo, virando a fita a cada meia hora. Em cima do Corcel 2, uma caixa acústica gigantesca com a madeira infestada de cupins. Como nunca tive comissão nas pamonhas vendidas, rezava pra passar reto em frente às casas e ninguém fizesse sinal pra parar o carro e comprar a maldição. 

São as deliciosas pamonhas de Piracicaba
É o puro creme do milho verde
Temos curau e pamonhas 
Pamonhas, pamonhas, pamonhas

Foram bem uns 20 anos desse jeito. Custou pra chegar o CD e depois o pen-drive, que é o que uso até hoje. Completo 84 mês que vem e firme no volante, já que a aposentadoria não compra nem meio tacho de curau. 

Olha aí, olha aí freguesia
Pamonhas fresquinhas, pamonhas caseiras
Vamos chegando, vamos levando
Venha provar essa delícia

Antes, era só eu e mais um concorrente rodando na cidade. Agora tem uns quinze. A venda diminuiu muito e meu patrão já avisou que, se continuar assim, vai ter que me dispensar. Com essa história de computador e internet, qualquer um baixa a insuportável gravação, enche o porta-mala de pamonha e começa a vender por aí. A pamonha mesmo é feita sabe-se lá em que lugar e de que jeito. Vem de tudo quanto é canto, menos de Piracicaba. 

São as deliciosas pamonhas de Piracicaba
É o puro creme do milho verde
Temos curau e pamonhas 
Pamonhas, pamonhas, pamonhas

Chega! Pra mim deu, joguei a vida fora ralando de sol a sol, pra ganhar o quê com isso? Cadê o outro pen-drive... ih, será que esqueci em casa? Ah, não, tá aqui. Dane-se, agora vou pro tudo ou nada. Toma essa, patrão desgraçado! Dessa vez vou rodar bem devagarinho, pra cidade inteira escutar...

OLHA AÍ, OLHA AÍ FREGUESIA
SÃO AS HORROROSAS PAMONHAS DE PIRACICABA
PAMONHAS ENVENENADAS, PAMONHAS MORTÍFERAS
É O PURO CREME DO MILHO AZEDO
VAMOS COMENDO, VAMOS MORRENDO
TEMOS CURAU E PAMONHAS
VENHA PROVAR ESSA IMUNDÍCIA
PAMONHAS, PAMONHAS, PAMONHAS



© Direitos Reservados
Imagem: pt.petitchef.com
Esta é uma obra de ficção. As LEGÍTIMAS pamonhas de Piracicaba são ótimas!



[ler na íntegra]

sábado, 24 de junho de 2017

0

PERALTA, POR ONDE ANDAS?




Faltam peraltas na praça. E nas ruas, nas favelas e alphavilles, nas escolas, nos shoppings, academias, quermesses, banheiros públicos, desfiles cívicos, confessionários de igreja e onde mais haja espaço e oportunidade para uma boa e bem arquitetada traquinagem.

O mundo é cinza e tedioso sem um peralta aprontando das suas. Mas tomou chá de sumiço, o danado. O que se vê é, de um lado, uma molecada predominantemente bem-intencionada, e de outro os delinquentes assumidos - tipo os hackers, os praticantes de bullying e os que dão almôndega com veneno pra cachorro. Fora isso, temos os nichos de nerds e outros esquisitos em suas órbitas particulares. Mas o peralta legítimo - aquele gurizinho astucioso, vivaldino, que comete sua maldade de salão de um jeito estudado e atrevido, esse não tem nem pra remédio.

Não é de hoje que o mundo anda escasso de levados. De levados e de levados da breca, seja lá qual for a diferença entre uns e outros. Aquele menino que pegava no telefone e passava trote perguntando se tinha um fusca gelo parado na frente da casa. Brincadeira de fim melancólico. O fusca, pobrezinho, saiu há décadas de linha, e o trote ficou na saudade depois do identificador de chamadas. Aliás, trote (além do literal sentido do andar dos equinos) está denotando unicamente o rito de iniciação nas Universidades - que, por sinal, também e felizmente anda caindo em desuso. Até mesmo o traquinas passador do trote já deve estar na terceira idade, se conseguiu sobreviver até agora. Não, peralta, esse mundo não é mais para você. Foi-se o seu tempo, garoto de kichute.

"Nossa, como esse menino é arteiro!". Isso é frase de tia Dirce, Matilde, Odete, Leonor. Tente lembrar da última vez em que você escutou isso, se é que já escutou. Sem chance, caso tenha nascido depois de 1980 e não é baby boomer ou geração X.

O peralta ficava de castigo, levava cintada e safanão, tinha mesada suspensa. Tomava bronca, pito, sermão e lambança. E estava sujeito a pescoções quando pego de surpresa escrevendo "lave-me" com o dedo em vidro de carro sujo. 

Um autêntico travesso com T maiúsculo prendia o botão da campainha com durex e saía correndo. Colava moeda com araldite no asfalto e ficava na moita rachando o bico, vendo os tontos unhando o chão. Pregava aviso de "sou bobo" nas costas do uniforme dos colegas. Prendia carta de baralho na roda traseira da bicicleta para imitar barulho de moto. Esse é o pá virada genuíno, tão em falta. 

Talvez os últimos exemplares da espécie tenham ido dessa pra melhor em 1999. Era uma rede de supermercados que, sabe-se lá o motivo, tinha o nome de Peralta. E que acabou sendo engolida pelo grupo Pão de Açúcar. 



© Direitos Reservados

Imagem: strangecosmos.com

[ler na íntegra]

sábado, 17 de junho de 2017

0

ALBERTO E AYRTON




- Santos Dumont! O senhor é o Santos Dumont, né?
- Em carne e osso. Quer dizer, sem carne e sem osso. Você quem é?
- Senna. O Ayrton, sabe?
- Sena? O rio da minha lindíssima Paris?
- Não, não. O rei de Mônaco. Béco, para os íntimos. O piloto, tricampeão da Fórmula 1. O namorado da Adriane Galisteu...
- Agora, puxando pela memória, acho que já ouvi falar de você, sim. Faz pouco tempo que desencarnou, não é?
- Vinte e três anos... o senhor chama isso pouco tempo?
- Ah, foi outro dia mesmo. Pra quem já está aqui desde 1932, você nem gelou a carcaça, meu rapaz. Lembro da minha hora como se fosse hoje. Estava no Guarujá, chateado com o que andavam fazendo com a minha invenção, e  resolvi que não queria mais ficar lá embaixo. Aliás, sempre me senti mais à vontade aqui em cima.


********

- Pois é. Se naquele dia fatídico já existisse um cockpit feito com material de caixa preta, talvez eu estivesse salvo. Difícil me acostumar com a ideia, vim pra cá cedo demais.
- Deixa de se lamentar, isso só piora as coisas. Mas me diz, como é que me reconheceu por essas bandas?
- O chapéu, o terno, o bigode... como não poderia deixar de ser, é claro que o senhor é nome de aeroporto no Brasil. Um dos maiores que temos por lá. 
- E você deve ser nome de rodovia.
- Sim. Mas o senhor é mais herói que eu, e é nome de estrada também. Duas, por sinal. Além de escolas, ruas, praças. Tem até uma cidade chamada Santos Dumont. 
- É, onde eu nasci. Chamava-se Palmyra, depois rebatizaram pra me homenagear. Fiquei sabendo por alguns irmãos espirituais. 
- Então. Cidade com o meu nome, por enquanto, não tem nenhuma. 
- Meu caro Ayrton, não é só você que guarda mágoa desse país ingrato. Outro dia mesmo estavam jogando truco por aqui o Duque de Caxias, o Dom Pedro I e o Tiradentes, amaldiçoando as últimas gatunagens de Brasília. Diziam que se soubessem que ia dar no que deu, não teriam movido uma palha.



********

- Sabe de uma coisa, meu jovem? Me dá nos nervos ficar a eternidade toda vendo esses anjos, com essas caras gordas e barrocas, batendo asinha pra lá e pra cá, sem rota de voo definida. A coisa aqui ainda está nesse tempo, de asinha nas costas. Até mesmo o avião, se você for ver, já é algo bem ultrapassado. Inventei essa traquitana em 1906. Tudo bem que o 14-bis era feito de seda e bambu e que a tecnologia aeronáutica evoluiu muito daí pra frente, mas é arcaico demais como meio de locomoção. Não sei se sabia, mas eu, o Einstein e o Steve Jobs estamos concluindo um protótipo de transporte na velocidade da luz.


********

- A Asa Norte e a Asa Sul. Tudo pelos ares, num ataque-surpresa. Que me diz, Ayrton?
- A sua raiva de asa é grande mesmo, Seu Alberto. 
- Temos que destruir tudo, pra não correr o risco de sobrar algum corrupto vivo. Sabemos que nessa operação-limpeza vamos matar um monte de pessoas inocentes, mas os bons viriam para o céu de qualquer jeito. E vão dar graças ao Pai por se livrarem daquele inferno.
- Isso, com certeza.
- Pra dar tudo certo, vamos precisar de um piloto experiente e habilidoso. É aí que você pode ajudar. Afinal, velocidade é o seu negócio. Ainda que a velocidade, no caso, seja a da luz. 
- Nossa, deve ser demais essa sensação. E eu achando, lá embaixo, que 350 por hora era o máximo da adrenalina.
- E então, podemos contar contigo?
- Deixa eu amadurecer a ideia, a gente vai se falando. Me dá seu chapéu de lembrança do nosso encontro?
- Só se você me der seu capacete. 




© Direitos Reservados

[ler na íntegra]